Últimas postagens

terça-feira, 21 de março de 2017

5 teatros para conhecer no Ceará

Dia 27 de Março é comemorado o Dia Mundial do Teatro, data criada no ano de 1961, pelo Instituto Internacional do Teatro, em Paris. Para tanto reunimos aqui no blog Rodando pelo Ceará a dica de 5 teatros incríveis para conhecer no estado. São equipamentos culturais que valem a sua visita pela sua história, imponência e importância artístico-cultural. Vamos conhecer?

1. Theatro José de Alencar (Fortaleza)
Nossa primeira dica não podia ser diferente: Theatro José de Alencar. Localizado no centro de Fortaleza, é considerado o principal teatro do Ceará e um dos mais bonitos do País. O prédio, com mais de um século de história, encanta por fora e por dentro. Apresenta uma arquitetura estilo art nouveau e comporta 800 lugares. Muito bonito também é o jardim projetado por Burle Marx, com mais de 40 espécies vegetais, incluindo árvores frutíferas e até pau-brasil. A programação mensal do Teatro pode ser consultada no site da Secretaria de Cultura do Estado (Secult) clicando aqui.




Você pode conhecer o Theatro José de Alencar também através de um city tour pela cidade. A família Rodando pelo Ceará fez essa experiência e super recomenda.

2. Teatro da Ribeira dos Icós (Icó)
Localizado na cidade de Icó, a 366kms da capital, o Teatro da Ribeira dos Icós foi o primeiro teatro construído no estado do Ceará, no ano de 1860, embora nunca inaugurado. Conta a história que "no dia da inauguração, a elite de Icó, muito ciosa de sua importância, mandava os empregados ao teatro para ver se alguém havia chegado e que roupa estava vestindo: ninguém queria chegar primeiro e todos queriam brilhar mais. Nessas idas e vindas, o baile programado acabou não acontecendo e o teatro nunca foi inaugurado" (Fonte: Plínio Bortolotti). Localizado no centro da cidade, apresenta extrema importância histórica e arquitetônica e próximos a outros prédios também respeitáveis, como a Casa de Câmara e Cadeia, o Sobrado do Barão do Crato e a Igreja do Bonfim. Anualmente, no mês de Dezembro, a cidade realiza o Festival da Cultura Icoense, o Icozeiro, com vasta programação cultural.


3. Teatro São João (Sobral)
O Theatro São João. localizado em Sobral, é considerado o segundo teatro mais antigo do Ceará, construído em meados de 1877-1879 e inaugurado em 1880. Em 1983, o Theatro foi tombado pelo Patrimônio Estadual, sendo o primeiro monumento tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Tem capacidade para 300 pessoas e fica localizado no centro da cidade.


4. Teatro ao ar livre (Pacatuba)
Apesar de bem mais recente, escolhemos o Teatro ao Ar Livre de Pacatuba para compor esta lista pela sua importância à cultura local e estadual. Trata-se de uma praça-teatro construída para a encenação da Paixão de Cristo (confere aqui o último espetáculo que acompanhamos), com oito mil metros quadrados e cenários fixos que imitam as construções no tempo de Jesus. 




5. Theatro Pedro II (Viçosa do Ceará)

Um dos mais antigos teatros do Ceará, o Theatro Pedro II fica localizado na cidade de Viçosa do Ceará, na Serra da Ibiapaba, construído em 1909 e passando a ser um dos principais palcos de manifestações artística-culturais da região, Apesar de pequeno (quando comparado com demais teatros do estado), é um imponente monumento que, em 2003, foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (como boa parte dos prédios antigos da cidade) e conserva ainda muito da sua arquitetura original, como a fachada em os tons originais de amarelo e branco e portas na cor azul. Em 2011 foi restaurado e passou a funcionar como um cine-teatro. Infelizmente, em nossa visita a Viçosa do Ceará, não conseguimos visitar o teatro.

E aí, gostaram das dicas? Conhece algum desses teatros? Conta pra gente nos comentários as suas dicas também!




domingo, 19 de março de 2017

Restaurante Coisas do Sertão | Muito além da comida

Fala, viajantes! Hoje nós vamos falar de mais uma das nossas #RotasGastronômicas, porque sim, viagem e gastronomia tem tudo haver!!! Durante a nossa Expedição Sertões, visitamos em Juazeiro do Norte um restaurante muito conceituado e que nos apaixonamos logo de cara, não apenas pela comida regional, mas principalmente - devo confessar! - pela sua decoração, permitindo que a nossa passagem por lá fosse uma experiência rica de sabores e memórias.




Localizado em uma das principais avenidas de Juazeiro, a Padre Cícero, nº 3018, o Coisas do Sertão traz, em seu espaço físico, uma verdadeira apresentação das raízes sertanejas, com uma estrutura rústica montada com detalhes e características bem específicas. Além do espaço que reproduz a ideia da casa, outros elementos compõe o espaço como a Budega (onde é feito o pagamento do consumido), o carro dos bois etc.


As comidas, apresentadas em um self service em panelas de bairro, nos remete ao verdadeiro estilo sertanejo. Uma curiosidade é que para chamar o garçom, você usa um chocalho de boi. Nem preciso dizer que a nossa Valentina amou, né? Queria chamar o rapaz a toda hora! rsrs

O cardápio é bem variado e oferece o tradicional baião de dois, a buchada de bode, sarapatel, galinha caipira, o cuscuz, a carne de sol... A variedade e o sabor são o grande destaque! Hum, dá água na boa só em lembrar!! Ah, não conhece esses pratos típicos do Nordeste? Então o Coisas do Sertão é o lugar ideal pra você conferir!


O local não tem ar condicionado e isso pode incomodar alguns, afinal, Juazeiro é uma cidade quente (como a maioria das cidades do Nordeste). Mas pra gente isso não foi um problema, estávamos bem encantados com a estrutura oferecida e diferenciada.



Como vocês podem reparar pelas fotos, nosso encantamento ficou mesmo pelo local. Não que a comida não seja um atração a parte, mas o Coisas do Sertão vai muito além da comida. Para quem, como eu, foi criada indo passar férias na casa dos avós, no interiorzão do Ceará, tudo aquilo me trouxe uma série de emoções e memórias e esse foi, na minha opinião, o ponto alto dessa visita, fazendo a passagem pelo restaurante ser mais do que um tour gastronômico, mas uma experiência rica cultural e histórica.



O restaurante conta com um pequeno estacionamento na parte da frente e um bem maior na parte de trás. É bem lotado, especialmente no horário de 11h às 13h, então, o ideal é se organizar para tentar pegar uma boa vaga.




Vai pra Juazeiro do Norte? Aproveita e inclua o local em sua lista de atrativos e conta pra gente, nos comentários abaixo, como foi a sua experiência. Aproveita para conferir aqui outros post's que escrevemos sobre a cidade.

quarta-feira, 1 de março de 2017

Centro de Cultura Popular Mestre Noza | Juazeiro do Norte

Oi gente! Faz um tempo que a gente não vinha aqui no blog, por uma série de motivos, sendo o principal a correria louca da nossa rotina com trabalho e nossa menina agora no primeiro ano escolar, o que tem requerido, da nossa parte, muito mais envolvimento e atenção. Mas, Março chegou e com ele esperamos conseguir colocar as coisas nos seus devidos lugares e, com isso, continuar a nossa tão sonhada "missão" de desbravar os variados destinos do nosso lindo Ceará.


Hoje trouxe um post que estava pra ser publicado faz um tempo, que refere-se a nossa visita ao Centro de Cultura Popular Mestre Noza, em Juazeiro do Norte, durante a nossa Expedição Sertões, realizada em julho de 2016.


Aproveita e confere o nosso post sobre a Rota da Fé em Juazeiro do Norte.


O Centro Cultural funciona como uma espécie de pólo artesanal local, na Rua São Luís, 95, no centro de Juazeiro do Norte. Estávamos hospedados próximos a Casa Museu Padre Cícero (falamos dela aqui nesse post) e devido ao fluxo intenso de carros e pessoas no centro da cidade, nos deram a dica de ir a pé mesmo até o local. São só alguns quarteirões e foi um passeio interessante, até mesmo pra perceber o movimento do vai e vem local, interagir com as pessoas, enfim, bem bacana.

Mas a maravilha mesmo acontece quando se chega lá! O espaço contém várias salas com objetos que mostram toda a diversidade e cultura do povo não só de Juazeiro, mas nordestino. É sentir a cultura viva e ainda ter a oportunidade de conferir os artesãos fabricando as peças, in loco, e conhecer as histórias de geração, cultura e fé dos artistas.



Nas diferentes salas, o visitante irá encontrar artesanatos em madeira, barro, cerâmica, latão, entre outras matérias-primas. Os valores dos produtos variam conforme tipo, tamanho etc. Mas, na nossa opinião, o Centro de Cultura Mestre Noza vai além e funciona como uma exposição permanente do melhor da cultura nordestina. Ali passamos algumas horas apreciando as peças, o cuidado minucioso com cada trabalho, as representatividades do cotidiano do nosso povo através da arte. Para quem gosta de #culturapopular, é uma atração imperdível!


Claro que não perdemos a oportunidade de, também, fazer aquele registro especial no lugar. Sem dúvida, um atrativo que vale a pena você incluir na sua lista "do que fazer" em Juazeiro do Norte,



sexta-feira, 11 de novembro de 2016

O que fazer em Nova Olinda? Conheça a Fundação Casa Grande

Nova Olinda é uma cidade localizada no interior do Ceará, distante cerca de 560kms de Fortaleza, e um dos principais destaques do nosso roteiro durante a Expedição Sertões. É um daqueles destinos que tem "parada obrigatória" para quem vai ao Cariri e claro que não podíamos perder a oportunidade de passar por essa simpática cidade. Lá ficamos apenas um dia, mas deu pra visitar quatro atrativos bem interessantes e hoje vamos destacar o primeiro deles, que é a Fundação Casa Grande Memorial do Homem Kariri, uma organização não governamental que atua na cidade desde 1992.


Por toda a filosofia da Fundação Casa Grande, eu queria muito que a nossa filha Valentina tivesse a oportunidade de conhecer esse espaço. Eu havia estado lá no ano de 2004 e já naquela época me senti plenamente impactada pelo trabalho incrível feito por Alemberg e Rosiane que, junto com outros nomes locais, transformaram não só a vida das crianças e famílias que passaram por lá, mas atrevo-me a dizer que também da cidade. Incrível como Nova Olinda cresceu nos últimos anos e incrível que ainda assim, a Fundação não tenha perdido a sua essência.

A casinha azul localiza-se no coração da cidade, um pouco depois da Igreja Matriz, na rua Jeremias Pereira, 444. É muito fácil achar o atrativo, que funciona todos os dias, das 8h às 17h. Logo ali na entrada encontramos várias crianças brincando e também guiando os visitantes em um passeio de muitas emoções e histórias afetivas. Conhecemos nas primeiras salas um pouco do acervo arqueológico da Fundação e da sua própria história também.




A visita é guiada por uma das muitas crianças que circulam pela Casa, meninos e meninas protagonistas de suas histórias. Me emociono em ver como tanta coisa mudou, pra melhor! O lugar tem uma certa magia na sua essência. Ficamos por ali, circulando pelos espaços, conhecendo, vivenciando. O barato da Fundação é essa liberdade que temos de ir no nosso tempo, apreciando o melhor de cada canto.


Um espaço de e para crianças tem também seu lado lúdico e ali conhecemos o "Parque Vei Leonso", uma espécie de parquinho feito com materiais reciclados e cotidianos, como pneus, cordas, madeiras etc. Ali nossa Valentina se divertiu com outras crianças que por ali passeavam, enquanto Elton e eu reverenciávamos tudo aquilo que fora construído no meio do sertão. Impossível não se emocionar e não acreditar num futuro melhor!




Durante nossa passagem pela Fundação, estava acontecendo uma exposição intitulada "A Bola". Foi incrível poder conhecer um pouco desse incrível trabalho, cheio de cores e muita história.



E aí, o que acharam da Fundação? Sem dúvida, vale muito a sua visita. Aproveite e confira abaixo alguns outros atrativos que visitamos no Cariri durante a Expedição Sertões:

- No Crato, visitamos o Museu de Arte Vicente Leite.
- Em Assaré conhecemos o Memorial Patativa do Assaré.
- Em Juazeiro do Norte fizemos a Rota da Fé.
- Em Quixadá fizemos o Roteiro Caminho das Pedras, que incluiu a visitação à Fazenda Não Me Deixes, da escritora Rachel de Queiroz.
- Já em Canindé, fizemos o Roteiro Caminhos de Assis, com várias dicas do que conhecer na cidade.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Museu de Arte Vicente Leite | o que você vai encontrar

Quem acompanha o blog e as redes sociais do Rodando pelo Ceará sabe que os atrativos culturais são sempre itens importantes em nossas viagens. Sempre que viajamos e até mesmo em Fortaleza, onde moramos, estamos visitando espaços como museus e descobrindo histórias e vivências incríveis. E não foi diferente em nossa passagem pelo Cariri durante a Expedição Sertões.


Quer conferir os museus que já visitamos pelo blog? Clica aqui e veja alguns posts recentes.
No Crato, a cerca de 500kms de Fortaleza, tivemos uma certa dificuldade nas pesquisas ao montar o roteiro sobre esses espaços culturais, embora saibamos ser uma das cidades mais ricas do Cariri em termos de história e equipamentos, muitos deles estavam desativados e/ou fechados durante a nossa visitação. Conseguimos, contudo, visitar dois museus incríveis e trago hoje o relato da nossa primeira parada, que se deu no Museu de Arte Vicente Leite, localizado no coração do centro do Crato, ao lado da Praça da Sé. Fundado em 1972, é o único museu de arte do interior do Ceará e leva o nome do importante artista plástico Vicente Leite, natural do Crato. 


O prédio que hoje abriga o Museu era do antiga Casa de Câmera e Cadeia da cidade, construído no início do século XVIII e que mantém ainda um pouco de suas características, como as grandes grades de ferro, por exemplo. Sem dúvida, o prédio ainda precisa concluir algumas importantes restaurações, mas se trata também de um espaço significativo dentro do contexto histórico da cidade, tendo sido ainda servido como Câmera dos Vereadores, Delegacia de Polícia e Fórum da comarca.


O patrimônio que ali se encontra é de extremo valor e de uma riqueza incrível, destacando tanto grandes nomes e obras antigas quanto atuais de artistas locais, entre quadros com técnicas diversas de pintura, bustos em gesso, peças em bronze, entre outras importantes peças no seu acervo, algumas já devidamente restauradas. As obras que compõem o maior parte do acervo foram adquiridas por meio do idealizador Bruno Pedrosa e Sinhá D´Amora, pintora natural de Lavras da Mangabeira (CE), que obtiveram total apoio de artistas colecionadores, amigos e autoridades de quem solicitaram trabalho, cooperação e ajuda financeira para a concretização do Museu, que conta ainda com obras de artistas renomados como Sérvulo Esmeraldo, Sansão Pereira, Pedro Américo, Henrique Bernadelli, entre outros. 



Nossa visita foi acompanhada por Ricky Seabra, coordenador do Patrimônio Histórico e Cultural do Crato e diretor dos Museus de Arte Vicente Leite e Museu Histórico do Crato. Uma curiosidade que pode ser esclarecida logo na chegada ao Museu é sobre o situação do seu acervo, onde em um pequeno quadro encontra-se uma listagem de todas as obras existentes ou obras que já existiram no acervo do Museu de Arte Vicente Leite e nota-se que, em sua maioria as obras (destacadas na cor verde) encontram-se no acervo e está em condições de ser exposta. Abaixo, destacado na cor laranja, mostram-se as obras que existe no acervo mas apresenta algum problema ou dano e, por fim, na cor vermelha, encontram-se cerca de dezesseis obras que não existem mais, seja por degradação das peças, ao longo de quase 50 anos de história, seja por dano ou até mesmo furto.


Em uma segunda sala, podemos conferir objetos antigos e que contam também um pouco da história local. Ali encontramos máquinas de escrever antigas, telefone, máquinas de costura, móveis e até mesmo uma cadeira utilizada em consultório odontológico.




Uma última sala de visitação nos leva a conhecer um pouco dos nossos antepassados e a história dos índios naquela região, inclusive com uma urna funerária descoberta em uma escavação local.



O Museu, de fato, é uma excelente opção de visitação para quem está no Crato. Foi uma visita muito rica e que nos permitiu conhecer um pouco melhor sobre a cidade e a região. Não deixe de conferir em sua passagem pela região.

FICHA TÉCNICA
O que? Museu de Arte Vicente Leite
Onde: Rua Senador Pompéu, 502, Centro. Crato - CE

domingo, 14 de agosto de 2016

Onde se hospedar em Quixadá: Review Hotel Vale das Pedras

A nossa passagem por Quixadá durante a Expedição Sertões foi bem rápida, apenas dois dias, mas o suficiente pra gente se apaixonar pela cidade, que nos surpreendeu. Encravada entre muitos monólitos, Quixadá foi um dos últimos destinos decididos na nossa aventura de passar as férias pelo sertão cearense. Por lá fizemos uma viagem mais cultural sobre a vida e a obra de Rachel de Queiroz através do Roteiro Caminho de Pedras, mas a cidade é muito mais conhecida por ser palco dos amantes de turismo de aventura e ecológico, motivo pelo já está nos nossos planos de voltar em breve!

Esse roteiro faz parte de uma trip intitulada Expedição Sertões, que visitou nove cidades do sertão cearense (além de Exu, em Pernambuco), em apenas doze dias.

Mas hoje vou falar um pouco pra vocês sobre a nossa hospedagem em um dos hotéis mais bem conceituados em todo o sertão central, o Hotel Vale das Pedras


O Hotel é muito bem localizado e a sua estrutura impressiona, oferecendo ao visitante conforto e uma boa área de lazer. Vamos começar falando pelo quarto. O hotel sempre é um ponto muito importante em qualquer viagem, afinal é lá que a gente consegue recarregar as energias depois de um dia cheio de muitos passeios, não é? E nesse ponto devo falar que o Vale das Pedras merece todos os elogios. O quarto é bem amplo, com bom ar condicionado (que para quem está no meio do sertão cearense, é item obrigatório) e lindamente decorado com quadros que remetem a vegetação seca do sertão. Para gente que trabalha durante as viagens, o fato do quarto contar com uma mesinha com cadeiras foi um plus a mais. Ponto pro hotel! O quarto conta ainda com frigobar, armário, TV de LCD com canal por assinatura, uma varanda e uma decoração clean, mas aconchegante. Uma dica é que o hotel conta também com dois apartamentos com acessibilidade.



O banheiro é bem amplo, com opção de banho frio e quente. Eu sempre falo nesse item porque como viajamos com criança, banheiros pequenos são sempre um desafio de não sair molhado na hora do banho dos pequenos. Tudo muito limpo e cuidado na troca das toalhas durante a limpeza do quarto.


Sem dúvida a piscina e o bar molhado são os grandes atrativos do hotel e deu pra curtir bastante. Há uma opção de correnteza, uma espécie de circuito dentro de uma outra piscina, mas que não usufruímos porque estava em manutenção. Para as crianças, há um pequeno parquinho de madeira com escorrega e balanço. Simples, mas que ajuda a entreter os pequenos. Aos fins de semana, a programação costuma ser intensa, com música ao vivo e outras atrações. As quinta-feiras oferecem um Festival de Camarão, evento já tradicional.







Estando em Quixadá, aproveite para fazer o Roteiro Caminho de Pedras e conhecer sobre a vida e a obra de Rachel de Queiroz.

O café da manhã é servido em um restaurante ao lado da área de lazer, com bom e confortável espaço. Frutas, cereais, pães, bolos, tapioca, cuscuz, café, chocolate quente, ovos, salada de frutas , pão de queijo, fazem o cardápio do hotel.




A experiência no Vale das Pedras foi muito boa e sem dúvida é um hotel que recomendamos e que certamente voltaremos.

SERVIÇO:
Hotel Vale das Pedras
http://www.valedaspedrasquixada.com.br/
Av. Jesus Maria e José, 2010 - Jardim dos Monólitos - Quixadá - CE
Telefone: (88) 3412-2171
Facebook: https://www.facebook.com/valedaspedrasquixada/




Curta nossa fanpage

Se inscreva no nosso canal

Nossos parceiros

Fazemos parte