, , , , ,

Onde se hospedar em Juazeiro do Norte? Review do Hotel Iu-á

Hoje apresentamos aqui no Rodando pelo Ceará um dos vinte melhores hotéis do Brasil!! Isso mesmo, caros viajantes, do Brasil! Trata-se do Iu-á Hotel, em Juazeiro do Norte. Foram três dias incríveis nesse super empreendimento que oferece aos seus visitantes conforto e uma experiência diferenciada em hospedagem e vou contar logo abaixo o porquê.

Passeio de doblossauro é apenas uma das atrações oferecidas pelo Iu-á Hotel

O Hotel é um verdadeiro charme e traz em seus espaços ambientes decorados por artistas locais, com peças de Espedito Seleiro, Tiago Santana, entre outros. A localização também é um ponto forte do Iu-á, situado na Rua Arnóbio Barcelar Caneca, 800, bairro Lagoa Seca, estando a poucos minutos do aeroporto de Juazeiro do Norte, próximo ao Cariri Garden Shopping e ao lado de charmosos bares e restaurantes, como o Sirigado do Pedro, considerado o número um da cidade.


Apesar de não termos usados alguns espaços devido a correria da nossa agenda durante a Expedição Sertões, o Iu-á conta com ambientes incríveis como uma ampla piscina (adulto e infantil), sauna, academia e estacionamento com manobrista. Ah, importante falar que a internet Wi-fi é rápida e eficaz, funcionando bem em todos os espaços do hotel.

Esse roteiro faz parte de uma trip intitulada Expedição Sertões, que visitou nove cidades do sertão cearense (além de Exu, em Pernambuco), em apenas doze dias.


Mas vamos falar dos quartos? Amplos, limpíssimos e confortáveis, atendem bem tanto quem viaja a trabalho quanto em família e até mesmo casais, claro! Dispõe na acomodação televisão de led a cabo, cofre digital, ar condicionado, frigobar, uma bancada com cadeira (que já falamos várias vezes o quanto pra gente é item essencial, pois trabalhamos ainda que viajando), com ótimo local de apoio para malas e também mochilas. Outra coisa bacana a destacar é que tanto a porta (que tem fechadura eletrônica) quanto as janelas têm isolamento acústico, fazendo da acomodação um espaço silencioso e, de fato, de descanso.



O banheiro também é outro espaço que merece destaque, pelo seu espaço (já contei pra vocês o quanto gosto de banheiros grandes, né? Ainda mais viajando com crianças!) e também pela limpeza, oferecendo aos hóspedes chuveiro quente e frio e secador de cabelo (adorooo!).



O café da manhã é farto e regionalizado, e ainda tem um espaço light! Sucos, frutas, bolos, café, leite, pães, tortas, tapioca, ovos, cuscuz, iogurte, cereais, vitaminas, mufins, cupcake (gente, tinha bolinho de rapadura, vocês acreditam! É pra morrer de amores...) etc... 






Olha o charme do restaurante onde é servido o café da manhã. Vale lembrar que é aberto ao público.

E quando a gente acha que o Iu-á não tem mais como surpreender, nos deparamos com o Espaço Geopark, localizado nas dependências do hotel e que permite ao visitante conhecer um pouco mais sobre o Geopark Araripe, o primeiro das Américas. Através desse espaço e da apresentação dos guias que ficam de plantão no hotel, é possível ter uma melhor dimensão dos nove geossítios espalhados por seis municípios do Ceará. Visita incrível e imperdível!








Além desse super espaço, um outro destaque é que o Iu-á oferece passeios guiados em um doblossauro, que vamos combinar, é um atrativo a parte nas férias não é? Nele é possível conhecer os principais roteiros culturais, históricos, ecológico e religioso da região pelas cidades de Barbalha, Crato, Santana do Cariri, Missão Velha, Nova Olinda e Juazeiro do Norte, além de Exu, em Pernambuco, para conhecer o roteiro que leva à terra de Luiz Gonzaga, o Rei do Baião (fizemos esse passeio e vamos contar tudo pra vocês aqui no blog).


Você pode conferir um pouco mais do hotel em nosso canal do Youtube, no vídeo logo abaixo.


Gostou do hotel? Ficou com vontade de se hospedar lá? Confere mais sobre o Iu-á no Facebook e também no Instagram. As reservas pode ser feitas através do e-mail reservas@iuahotel.com.br ou através do telefone (88) 3102-7777.

A família Rodando pelo Ceará agradece os dias que passamos nesse conceituado hotel.

Abraços,

Share:
Leia mais aqui
, , , , , ,

Rota da fé em Juazeiro do Norte: quatro atrativos imperdíveis

Juazeiro do Norte é um dos destinos mais procurados para quem deseja conhecer o Cariri e, como não podia deixar de ser, o turismo religioso se faz presente em seus principais atrativos. A terra de "Padim Ciço" permite que o visitante desfrute de um roteiro rico e histórico e hoje iremos apresentar aqui no blog quatro atrativos imperdíveis no Rota da Fé.

Esse roteiro faz parte de uma trip intitulada Expedição Sertões, que visitou nove cidades do sertão cearense (além de Exu, em Pernambuco), em apenas doze dias

Casa Museu do Padre Cícero

Local onde Padre Cícero morou até a sua morte, a Casa Museu é a primeira parada nesse roteiro. Lá o visitante poderá conferir tanto objetos que pertenceram ao sacerdote quanto aqueles deixados por devotos e admiradores do "Padim". Em um dos quartos chama a atenção a cama onde ele faleceu, em 20 de julho de 1934. Padre Cícero foi velado nesta casa e para que todos pudessem ter a oportunidade de dar o último adeus, uma urna mortuária foi exposta em uma das janelas. A Casa Museu fica na Rua São José, 242, no centro de Juazeiro do Norte.





Memorial do Padre Cícero

Seguindo pelas ruas do centro, a poucos metros da Casa Museu, pudemos conhecer o Memorial do Padre Cícero, localizado na Praça do Cinquetenário. O local foi inaugurado em Julho de 1988 com o objetivo de ser um ambiente de pesquisas e estudos sobre o sacerdote. Lá o visitante irá conferir vários objetos do uso pessoal do Padre Cícero, como vestimentas, fotografias, livros, obras de arte, entre outros. Também possui uma biblioteca com várias obras sobre o padre e um auditório com capacidade para quatrocentas pessoas.






Capela do Socorro

Nossa terceira parada na Rota da Fé foi visitar a Capela Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, ou simplesmente Capela do Socorro, também localizada na Praça do Cinquentenário. O local chama atenção por estar no mesmo terreno do principal cemitério de Juazeiro do Norte e também por ter sepultado, em seu altar-mor, os restos mortais de Padre Cícero, levando verdadeiras multidões ao local, especialmente na data alusiva à morte do sacerdote e durante a Romaria de Finados, sendo apontado como um dos túmulos mais visitados do mundo!!



 Cemitério localizado aos fundos da Capela do Socorro



Colina do Horto

Seguindo para a Colina do Horto, cerca de 3 kms do centro de Juazeiro, nos deparamos com o melhor desse roteiro. É lá onde encontramos a estátua do Padre Cícero, o casarão do Horto e o Museu Vivo do Padre Cícero, além do Santo Sepulcro (que infelizmente não tivemos tempo de conhecer). Um dos atrativos obrigatórios é conhecer a Estátua de Padre Cícero, palco de devoção e fé. Inaugurada em 1969, a estátua tem cerca de 27 metros de altura, sendo uma das maiores estátuas em concreto do mundo. A partir do monumento é possível ter uma linda visão da Chapada do Araripe. Se você vai até Juazeiro e tem pouco tempo pra visitar todos os atrativos, não tenha dúvida: a Colina do Horto deverá ser sua parada obrigatória na cidade.

Da série #temqueter: é praticamente impossível ir a Juazeiro do Norte e não fazer uma foto na estátua.

Ainda nesse complexo, o visitante irá conhecer o Casarão do Horto, considerado como um dos locais preferidos pelo Padre Cícero na cidade de Juazeiro do Norte.


No imóvel funciona atualmente o Museu Vivo do Padre Cícero, importante atrativo e que dá pra ter a dimensão da figura religiosa e política que era o sacerdote. Além dos ex-votos em agradecimento aos milagres alcançados e atribuídos ao Padim, como fotos, vestidos de noivas, peças em madeira, entre outros, em vários cômodos o visitante encontra personagens de cera em tamanho real representando o padre em momentos do seu cotidianos, como ao lado da beata Maria de Araújo, orando, descansando em uma rede, tomando café com amigos, entre outros.








Todo esse roteiro dá pra fazer tranquilamente em um dia e vale muito a pena conferir! Juazeiro do Norte foi o destino que mais tivemos opções de atrativos para fazer durante a Expedição Sertões e que nos mostra quão rico é o nosso Ceará e o nosso Nordeste!

Gostou desse roteiro? Aproveita para conferir também outros passeios incríveis que fizemos nessa viagem, como o Roteiro Caminhos de Assis, em Canindé e o Roteiro Caminho de Pedras, em Quixadá.

Espero que tenham gostado das nossas dicas e que deixe seus comentários logo abaixo, será um prazer! Não esqueça de compartilhar o post em suas redes sociais, vamos mostrar as riquezas do nosso estado!
Share:
Leia mais aqui
, , , , ,

Roteiro Caminho de Pedras: vida e obra de Rachel de Queiroz na cidade de Quixadá

Rachel de Queiroz foi uma das mais importantes escritoras do Ceará, tendo sido a primeira mulher a ingressar a Academia Brasileira de Letras. No sertão central do estado, todos os anos a escritora, nascida em Fortaleza e que morou por muitos anos no Rio de Janeiro, passava uma temporada em sua fazenda, na cidade de Quixadá. E foi interessada na história da Rachel que incluímos Quixadá em nossa #ExpediçãoSertões, um projeto onde visitamos nove cidades do sertão cearense (além de Exu, em Pernambuco), em apenas doze dias. 

Neste post irei detalhar pra vocês como foi a nossa visita em dois dos mais importantes locais na cidade de Quixadá que preservam a história da escritora e de sua obra. A este roteiro chamamos de Caminho de Pedras, título de um dos romances de Rachel e que muito simboliza a cidade, conhecida por seus monólitos.

Começamos a visita pela Fazenda Não Me Deixes, localizada no distrito de Daniel de Queiroz. Houve uma certa dificuldade de encontramos o contato do responsável pela fazenda (deixamos mais abaixo para vocês), visto que as visitas são agendadas e guiadas. Também cometemos uma pequena falha no roteiro, destinando a visita à fazenda quando já estávamos em Quixadá, quando o ideal seria fazê-la no caminho que leva de Fortaleza ao sertão central, pois o distrito fica cerca de 30kms de distância do centro da cidade. 



Sugiro ter acesso a um mapa para melhor localizar a Fazenda. Foi apenas dessa forma que conseguimos chegar direitinho ao local, que tem uma estrada carrosal que leva o visitante por um caminho arenoso e com algumas porteiras, que você vai parando e se identificando. Apesar das pessoas serem muito solícitas no caminho em ajudar a informar como chegar ao local, acredite, você não encontrará muitas por lá, o local é bem isolado, então seguir o GPS será sim a melhor forma para não se perder e otimizar seu tempo. Veja mapa abaixo:


Após passarmos algumas porteiras e nos perder um pouquinho (bem típico dos nossos roteiros rsrs), chegamos na Fazenda, que é, na realidade, uma reserva particular do patrimônio nacional. Fomos guiados por Aldenir, que de forma muito simpática nos contou vários "causos" e histórias tanto sobre a propriedade quanto da própria Rachel. O local é um convite ao passado, pra quem teve infância no interior então, é um mergulho em suas próprias lembranças!!

A propriedade foi originalmente comprada por um tio-avô de Rachel de Queiroz e foi dada de herança a um primo da escritora, que anos mais tarde vendeu a fazenda e viajou para o Amazonas, com o intuito de fazer riqueza com a extração de borracha. A ideia não deu muito certo e ele voltou depois pobre e muito doente. O tio-avô, que havia conseguido recuperar a fazenda, devolveu para o herdeiro, fazendo-o prometer que não sairia mais do local e batizando-a de Não me deixes. Depois de muitos anos e após a morte do proprietário, foi o pai de Rachel quem ganhou a fazenda como herança, Daniel de Queiroz, que homenageia o distrito onde esta localiza-se. Em 1955 a casa grande foi construída a partir de desenhos feitos pela própria escritória e mantém o padrão original até hoje.


Logo após o grande alpendre da casa, somos convidados a entrar em uma sala onde é possível ver uma pequena biblioteca, acervo pessoal de D. Rachel. O ambiente é muito acolhedor e parece estar conforme a dona da casa deixou. A vontade é ficar por ali mesmo, ou numa rede na varanda, lendo algumas daquelas obras. Maravilha de lugar!



Estando em Quixadá, você pode se hospedar no Hotel Vale das Pedras. Confira como foi a nossa experiência por lá.

Vamos sendo guiados pela casa grande e ali vamos conhecendo outros cômodos, como o quarto que a escritora ficava ou o que recebia amigos e familiares quando estava na Fazenda. Os móveis antigos de madeira, que foram desenhados pela própria escritora, dão o tom ao ambiente. O teto alto, as grandes janelas pintadas de azul, as paredes branquinhas, todo o conjunto traz uma magia diferenciada ao local, é como se chegássemos na casa de um parente querido.


Para nós, um dos ambientes mais pitorescos da casa de se visitar foi a cozinha, com o seu fogão a lenha e os grandes potes de barro que armazenavam água, o pilão de madeira, o moedor de grãos, está tudo lá, como a escritora sonhou, projetou e deixou.





A visita foi uma preciosidade e um dos momentos mais bacanas em nossa passagem por Quixadá. Se tiver a oportunidade de conhecer um pouco mais da história de Rachel de Queiroz através da Fazenda Não Me Deixes, não deixe passar. Você poderá agendar com Aldenir (abaixo na foto com a família #rodandopeloceara) , no telefone (88) 9 9607-3804.


Confira abaixo um vídeo do nosso passeio pela Fazenda Não Me Deixes, no Distrito de Daniel de Queiróz, em Quixadá.

   

O segundo atrativo do roteiro "Caminho de Pedras" é o Chalé da Pedra, um importante memorial sobre a vida e obra da escritora e localizado no centro de Quixadá, no alto de um monólito e hoje tombado como patrimônio histórico da cidade. Sem dúvida, outro lugar imperdível para se incluir na visita a Quixadá. Para conhecer o local, basta entrar em contato com um guia que fica no Centro Cultural Rachel de Queiroz, ao lado do Chalé e que irá acompanhar o passeio. Essa é uma informação importante, muita gente não sabe, vê o local fechado e perde a oportunidade de conhecer, então anota a dica aí!


Aproveita para conferir algumas das fotos da #ExpediçãoSertões no Instagram do @rodandopeloceara







Foi conhecendo esse espaço que nos aprofundamos um pouco sobre a obra da escritora. O local, embora pequeno, abriga um bom acervo que conta um pouco da história desse ícone quixadaense, com livros, vestimentas, fotografias, utensílios da casa, entre outras peças importantes. A visita é rápida, mas vale muito a pena. E é gratuita!





E aí, o que acharam do nosso roteiro em Quixadá? Ficou com vontade de fazer também? Então deixa seus comentários abaixo e nas redes sociais, marque suas aventuras através da hastag #rodandopeloceara, vai ser um prazer saber quais riquezas do Ceará vocês têm desbravado.

Share:
Leia mais aqui